Cursos on-line

Cursos on-line são opção para preencher o tempo durante a quarentena

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Cursos a distância podem ser uma boa opção para trabalhadores e estudantes se manterem atualizados, aprenderem habilidades novas e fazerem bom uso do tempo livre que passaram a ter durante o período de isolamento social

Uma pandemia global que exige que nos distanciemos para preservar a saúde uns dos outros e, assim, desencadeia mudanças radicais no mercado de trabalho. O coronavírus é motivo de preocupação mundial e tem causado transformações numa velocidade antes inimaginada em todos os campos da vida. Tudo isso resulta, em maior ou menor escala, dependendo do país, em mais gente dentro de casa e, consequentemente, ganho de tempo em certo sentido. Obviamente nem todos os profissionais podem desempenhar suas funções em home office.
Os que migraram para o teletrabalho, porém, ganharam, pelo menos, o tempo que gastavam se locomovendo para o emprego que, agora, pode ser destinado a outras finalidades. É verdade que, para muitos pais, que passaram a não contar com creche e escola para os filhos, aumentou a carga de trabalho doméstico. No entanto, várias atividades comunitárias passam a não existir. Há pessoas que foram dispensadas do trabalho durante a pandemia, outras que foram, de fato, demitidas e empreendedores que se veem sem serviço porque foram obrigados a fechar ou porque os clientes sumiram…
Tudo isso resulta numa massa de profissionais com mais intervalos ociosos pela frente. O que fazer durante uma temporada em que se deve ficar mais em casa depende de cada um e não deve haver pressão para sentir-se forçado a ser produtivo o tempo todo — afinal, este momento já é difícil o bastante e é compreensível que certo desânimo se faça presente. No entanto, muitos têm apostado numa boa saída para se entreter e, ao mesmo tempo, aprender: a educação a distância (EAD).

Distração e aprendizado

Para Guilherme Mendes, 18 anos, a pandemia é fonte de apreensão. “O coronavírus me trouxe grande preocupação por ter um irmão asmático e meus pais terem mais de 50 anos. Por isso, tenho ficado em casa o dia todo, todos os dias”, relata. Apesar do lado triste da situação, o jovem encontrou na EAD uma saída para aproveitar bem o tempo: ele está fazendo cursos on-line sobre programação e tecnologia na plataforma Alura.
“Os cursos distraem bastante e me dão um foco durante este período de reclusão. Infelizmente, o coronavírus faz com que eu tenha mais tempo para essas aulas”, comenta. O jovem tem acessado os conteúdos pela manhã e praticado pela tarde. “A situação limitou complemente as outras atividades que eu tinha no período, como esportes e lazer externo.” Guilherme começará o curso de engenharia da computação na Universidade Federal de Goiás (UFG) em agosto.
Ele aproveita para aprender sobre temas como programação de websites e business inteligence, visando aperfeiçoamento na carreira que escolheu. Ele reconhece, porém, que é importante ter equilíbrio nas atividades e entende que a saúde mental é fundamental para o bem-estar físico. Por isso, Guilherme não abre mão de também descansar, meditar, jogar no computador com amigos e ler.

Esforço que será valorizado

Aproveitando a onda de procura por cursos a distância por causa da pandemia, várias instituições de ensino têm oferecido cursos gratuitos ou com preços reduzidos. De acordo com Kerullen Pimenta, gerente de Serviço e Qualidade da multinacional suíça de recrutamento e seleção Adecco, esse tipo de atitude tem tudo para ser valorizado por headhunters e chefes. “Manter-se atualizado e capacitado fará toda a diferença quando o mercado reaquecer”, diz.
“A busca por conhecimento demonstra o quanto o candidato está comprometido com a recolocação e a própria carreira”, avalia. A especialista em gestão estratégica de pessoas argumenta que é preciso ver nas ferramentas para aprendizado virtual uma oportunidade de investimento pessoal. “Mesmo neste momento tão delicado que estamos vivendo, temos que aproveitar para nos dedicar a coisas que muitas vezes não conseguimos em função da correria da nossa rotina”, sugere.
“Dá para transformar este período em uma época de autoconhecimento, focando em nosso desenvolvimento pessoal”, diz. “Assim, podemos tirar algo positivo disso tudo, pois teremos mais disponibilidade para focar em nós, por exemplo, fazendo capacitações, cursos e treinamentos on-line”, completa. Para oferecer ao público opções de formação durante essa crise, a Adecco, onde Kerullen trabalha, lançou, pela primeira vez, um programa de EAD e abriu inscrições para aulas gratuitas sobre comunicação interpessoal e como lidar com mudanças e cenário de incerteza.

Para se atualizar

O administrador Lucas Luna de Lima, 25 anos, se inscreveu no primeiro treinamento, que ensina a se comunicar com segurança. “Achei uma iniciativa muito boa, pois visa ajudar tanto quem está empregado quanto quem está em busca de recolocação a se desenvolver na vida profissional e pessoal. Esse tema é muito importante, não só para o trabalho e pode agregar muito”, comenta. Lucas atua como analista financeiro, tinha um contrato temporário de trabalho que se encerrou recentemente e está em busca de emprego.
Ele tem aproveitado o tempo livre que surgiu após isso e que aumentou com o coronavírus para fazer cursos on-line e estudar inglês. “Neste momento de insegurança, é bom manter-se atento e atualizado.” O jovem tinha experiência prévia com educação a distância, pois havia feito alguns cursos na área financeira, e se adaptou bem ao formato por causa da flexibilidade e da autonomia que esse tipo de capacitação oferece.

Fazer do limão uma limonada

“Nesse momento em que estamos fisicamente isolados, a internet possibilita que estejamos virtualmente juntos e conectados. Vale aproveitar este momento para se aperfeiçoar, aprender algo novo e se manter atualizado sobre as notícias do mundo e também da sua área de atuação”, afirma Daniella Brilha, diretora de Marketing na Belliz Company, onde é responsável pela contratação de pessoal em áreas da empresa.
Administradora pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com MBA em marketing na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), ela observa que um diploma, hoje em dia, não basta para garantir uma contratação. É apenas um pré-requisito de início de trajetória. Recrutadores já têm a expectativa de que os profissionais busquem se aperfeiçoar e atualizar por meio de cursos. Quem fica parado em termos educacionais também trava o próprio desenvolvimento profissional.
“A educação é claramente muito importante desde a formação e possibilita a longevidade profissional”, aponta. “No início de carreira, o maior peso está na formação acadêmica ou técnica, em suma, pela reputação da instituição onde a pessoa estudou e suas credenciais. Mas, à medida que o profissional avança na carreira, os locais em que atuou e os resultados alcançados começam a pesar mais.” E, para mostrar melhor rendimento, aprender novas técnicas e habilidades faz a diferença.
Com experiência em liderança e treinamento de funcionários, Daniella é responsável pelo desenvolvimento do projeto VTX LAB, que oferece cursos profissionalizantes a distância para profissionais da beleza. “A plataforma fornece conceitos e fundamentos para quem quer começar a carreira como barbeiro ou cabeleireiro ou para quem já atua na área e quer se aperfeiçoar e ficar conectado.” O site é totalmente gratuito.

Turbinar habilidades

Entre as pessoas que já aproveitaram as aulas on-line do site está a cabeleireira Vanessa da Silva Leite Orsi, 38. Ela foi gestora de RH por 13 anos e, há seis, passou a atuar na área da beleza. Ela está cumprindo aviso-prévio no salão onde atua. A pandemia de Covid-19 torna a busca por emprego muito difícil: comerciantes estão temerosos e fechando vagas. Além disso, existe temor da própria doença, que dificulta ser chamado para uma entrevista.
“Eu tinha o hábito de fazer cursos on-line, mas, com a quarentena, isso se intensificou já que os processos seletivos estão congelados. Um pouco mais de tempo livre favoreceu os estudos”, comenta Vanessa. “Meu maior impacto com o coronavírus está por vir. Não sei como ficará minha casa e minha família com a falta de emprego já que não sabemos quando tudo voltará à normalidade.” A cabeleireira tem usado o tempo livre com sabedoria, para se aperfeiçoar na própria área de atuação.
“Confesso que tenho medo em alguns momentos e, quando paro para pensar nos familiares em grupo de risco, que não posso ver, bate um aperto… O estudo é uma forma de distração”, conta. “Neste momento, estou fazendo o curso de visagismo da VTX LAB e concluí o de escovação e modelagem na plataforma também.”
Além de passar o tempo, Vanessa acredita que o investimento nas aulas on-line compensará mais para a frente, quando os cursos poderão ser um diferencial para o currículo e para a prática dela na área. “É sempre bom conhecer novas técnicas. De fato, estarei mais preparada em minha próxima jornada profissional”, acredita.

Três perguntas para

Kerullen Pimenta, gerente de Serviço e Qualidade da empresa de recrutamento e seleção Adecco; formada em administração de empresas e pós-graduada em gestão estratégica de pessoas, com vivência em recrutamento, seleção e gestão de equipe
 
Com a pandemia de coronavírus, aumenta a procura por cursos on-line?
Sim. Esse mercado já vem crescendo, empresas já adotaram treinamentos e capacitações de e-learning, e as pessoas estão muito mais seguras com formações a distância. Agora, com a disponibilidade de tempo que teremos, as pessoas provavelmente ficarão atentas e na busca de meios para preencher o tempo livre.
Qual a importância de usar o tempo livre para estudar e fazer um curso on-line? Que diferencial isso trará para um profissional?
Com o tempo mais livre, conseguiremos nos dedicar mais e absorver mais informações, permitindo aprimorar habilidades e conhecimentos, sejam eles profissionais, sejam pessoais. Além disso, os cursos on-line nos oferecem mais flexibilidade de tempo e disposição. É importantíssimo nos mantermos atualizados, pois a velocidade das mudanças aumenta a cada dia. Estar atualizado e com o seu conhecimento em dia pode abrir grandes oportunidades.
Como as pessoas podem se automotivar e ter disciplina para terminar um curso on-line? 
Afinal, a falta de autodisciplina é um dos grandes empecilhos para quem não está acostumado om o formato. Mesmo em casa, temos que ter uma rotina com horários preestabelecidos. O ideal é que a pessoa tenha uma agenda com as atividades do dia desde o café da manhã, incluindo trabalho, estudo e até o lazer em família. Com organização e foco, é mais fácil manter a motivação. Colocar um post-it com seu maior objetivo na sua mesa de estudo ou de trabalho também ajuda. É uma ferramenta para lembrar que este momento também vai passar e qual o caminho a percorrer.

EAD exige didática própria

Ao mesmo tempo em que a educação a distância surge como alternativa de entretenimento e fonte de atualização e aprendizado durante o período de isolamento, ela também se torna praticamente a única alternativa para que cursos antes presenciais tenham continuidade. Até para a educação básica, o Ministério da Educação (MEC) autorizou o formato. Estudantes que, outrora, nem cogitavam ter aulas mediadas por dispositivos digitais precisam se adaptar ao formato.
E, talvez o mais difícil, em todo o mundo, instituições e professores sem costume com ensino remoto se veem quase obrigados a migrar para o mundo digital. No entanto, não se constrói uma boa EAD apenas passando os mesmos conteúdos das aulas presenciais para o formato on-line. Se não, os encontros tendem a ter baixo rendimento e não prendem a atenção do aluno. Outro problema pode estar no amadorismo de quem não entende do assunto, mas necessita, por causa do coronavírus, disponibilizar conteúdos numa nova configuração.
Falhas técnicas, vídeos e áudios sem qualidade também atrapalham. Talvez por isso pipoquem no país queixas de estudantes universitários brasileiros sobre o modo como faculdades, a fim de não cancelar o semestre e parar de cobrar mensalidades, adotaram a EAD. Alunos de várias instituições tentam negociar redução de cobranças devido à baixa qualidade dos serviços prestados. Há vários abaixo-assinados de estudantes nesse sentido.
Para funcionar de verdade, o ensino digital requer uma didática totalmente adaptada. É o que afirma Isabela Villas Boas, doutora em educação pela Universidade de Brasília (UnB) e gerente corporativa acadêmica da Casa Thomas Jefferson. “Um professor, universitário ou não, que nunca foi aluno de curso on-line, nunca deu curso on-line, e alguém falou que, amanhã, ele vai ter que dar aula on-line, não dará uma boa aula”, diz. Ou seja, é necessário toda uma adaptação para o formato.

Adaptação

Na escola de inglês onde Isabela trabalha, os educadores estão sendo treinados para passar a dar aulas mediadas pela internet a partir desta segunda-feira (30/3). “Nossos professores já têm um letramento digital bom, não somos totalmente inexperientes nisso e estamos nos preparando para isso há vários dias”, conta. “Estamos fazendo o possível para que nossa aula on-line seja a melhor experiência possível.” Para evitar problemas, como alunos com acesso limitado à internet, as aulas poderão ser acessadas por meio de celulares e, se a internet estiver fraca, o estudante poderá optar por entrar no ambiente virtual por uma ligação telefônica.
“Vai ser um período de adaptação e estamos tomando cuidados”, informa a mestre em ensino de inglês como segunda língua pela Universidade do Estado do Arizona. Inicialmente, a Casa Thomas Jefferson cancelou as aulas e considerou recesso, mas, ao perceber que a situação seria mais demorada de resolver, entrou no movimento de ensino a distância, adotado agora por várias escolas de línguas do Distrito Federal.
Para manter os 15 mil alunos ocupados enquanto as aulas on-line não começavam e também dar oportunidade de aprendizado para a comunidade externa, a instituição criou uma plataforma gratuita e aberta a todos os interessados em entrar em contato com a língua inglesa. “São exercícios, atividades, jogos, vídeos, leituras, notícias sobre coronavírus em inglês, hangouts de conversação, plantão de dúvidas e uma variedade de outros conteúdos”, explica Isabela. Um dia após entrar no ar, o site teve 4 mil acessos.
“Fizemos pensando em nossos alunos, mas a gente se solidariza com a situação atual. Outras pessoas podem entrar, se beneficiar e desfrutar. Neste momento, a gente tem que pensar em servir a comunidade.” A professora chama a atenção para a chance de aproveitar um período difícil para fazer algo positivo. “É uma oportunidade de as pessoas lerem, estudarem, aprenderem o que não conseguiam antes por falta de tempo porque até ficar na Netflix cansa. Como diz o ditado, se te dão um limão, faça uma limonada.”
Ela sugere também tentar ter um olhar otimista. “É um momento de reclusão, de ficar mais calmo e tranquilo e aproveitar isso, porque nossa vida é tão corrida. Dá para tirar algo proveitoso disso tudo.” Isabela vê como vantajoso ganhar experiência com a EAD, pois isso ajuda as pessoas a desenvolverem as capacidades de trabalhar remotamente, aprender sozinho e se autorregularem, que são “diferenciais do profissional do futuro”. E quem sabe tudo isso ainda desencadeie uma mudança de paradigma na educação. “As pessoas estarão mais abertas a fazer cursos EAD depois disso.”

Cursos on-line são opção para preencher o tempo durante a quarentena. Correio Brasiliense, 08/10/20. Disponível em: <https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/trabalho-e-formacao/2020/03/29/interna-trabalhoeformacao-2019,841086/cursos-on-line-sao-opcao-para-preencher-o-tempo-durante-a-quarentena.shtml>. Acesso em: 26/01/21

 

INOVE o seu futuro através da educação! Conheça a nossa plataforma de EAD. Seja EJA, cursos técnicos ou cursos de qualificação profissional, nós temos a opção certa para você.

Mais notícias